Causa e Efeito

OPERAÇÃO IOIÔ - Paulo Santana

Caiu-me nas mãos uma explicação de um operário a uma companhia seguradora, que estranhou a
forma com que ele foi vítima de um acidente de trabalho, sendo que a empresa teve que indenizá-lo pelos ferimentos generalizados que sofreu.
Segundo informação que acompanha o texto, este caso é verídico e foi julgado pelo Tribunal de Justiça de Cascais - Portugal, sendo a transcrição abaixo conseguida junto à companhia seguradora. Recomendo que leiam com calma a espetacular narrativa:
Excelentíssimos senhores! Sou assentador de tijolos e no dia do acidente estava a trabalhar sozinho no telhado de um edifício novo de seis andares, Quando acabei meu trabalho verifiquei que tinham sobrado 350 quilos de tijolos. Em vez de levar à mão para baixo, decidi colocá-los dentro de um barril, com a ajuda de uma roldana, a qual, felizmente estava fixada num dos lados do edifício no sexto andar.
Desci e atei o barril com uma corda, fui para o telhado, puxei o barril para cima e coloquei os tijolos dentro. Voltei para baixo, desatei a corda segurei a corda com força, de modo que os 350 quilos descessem devagar (note-se que meu peso era de 80 quilos). Devido a minha surpresa, por ter saltado repentinamente do chão, perdi minha presença de espírito e esqueci-me de largar a corda. É desnecessário dizer que eu fui içado do chão a uma grande velocidade”..
Prossegue o operário português: “Na proximidade do terceiro andar eu bati no barril que vinha a
descer. Isso explica a fratura no crânio e clavícula partida. Continuei a subir a uma velocidade ligeiramente menor, não tendo parado até que os nós dos dedos estivessem entalados na roldana. Felizmente que eu já tinha recuperado minha presença de espírito e consegui, apesar das dores, agarrar a corda. Mais ou menos ao mesmo tempo, o barril com os tijolos caiu no chão e o fundo partiu-se. Sem os tijolos o barril pesava aproximadamente 25 quilos (note-se novamente que o meu peso era de 80 quilos). Como podem imaginar eu comecei a descer rapidamente. Próximo ao terceiro andar, encontro o barril que vinha a subir. Isso justifica a natureza dos tornozelos partidos e das lacerações nas pernas, bem como na parte inferior do corpo. O encontro com o barril diminuiu a minha descida o suficiente para minimizar os meus sofrimentos quando caí em cima dos tijolos e fraturei somente três vértebras.
Lamento, no entanto, informar que, enquanto caído em cima dos tijolos, com dores, incapacitado de
me levantar e vendo o barril cair em cima de mim, perdi novamente a presença de espírito e larguei novamente a corda. O barril pesava mais do que a corda e, então, desceu e caiu em cima de mim, partindo-me as duas pernas.
Espero ter dado as informações solicitadas do modo como ocorreu o acidente”.

Muito boa a história :D